Classes Reconhecidas - Dragon (ex olímpica 1948-1972)

Logo da Classe Dragon

Desenho lateral do Dragon

Desenho lateral do Dragon

Documentos Técnicos da Classe 6m:
Regras da Classe Dragon - 2020
Alterações nas Regras da Classe
Formulário de Medição
Relatório da Classe

Classe Dragon - Site:
Classe Dragon: https://internationaldragonsailing.net

Súmulas Campeonatos Estaduais:
Estadual - não ouve até o momento

Hall da Fama - Campeões Estaduais

Sobre o Dragon: O Dragon é o barco de quilha mais destacado do mundo. Existem associações de classe em 31 países em todo o mundo e mais de 1.300 barcos registrados como velejadores ativos. Os velejadores variam de medalhistas olímpicos a entusiastas de clubes e com idades entre 8 e 85 anos, mas todos descobrem que, de maneiras diferentes, o Dragon fornece um tipo de vela que eles gostam. O Dragon ocupou essa posição quase desde o momento em que foi concebido pela primeira vez em 1929. Noventa anos de sucesso e nenhum sinal de que ele chegaria ao fim.
O design: No final da década de 1920, a vela era um esporte popular, mas era principalmente em iates grandes e caros. As perspectivas econômicas na Europa e no mundo eram ruins e havia a necessidade de um barco barato, principalmente para os jovens marinheiros. Um concurso de design foi lançado em 1928 pelo Royal Gothenburg Yacht Club (GKSS) na Suécia para um barco de quilha de cruzeiro acessível que era “relativamente rápido, atraente externamente e em condições de navegar”. Johan Anker, já eminente desenhista de iates e vencedor naquele ano de uma medalha de ouro olímpica na classe de 6 metros, foi o vencedor e seu one-design de entrada, com base na regra de 20 metros quadrados, foi aprovada naquele ano pelo Royal Yacht Club de Gotemburgo, o Royal Danish Yacht Club e o Royal Norwegian Yacht Club.
Uma razão para o sucesso do Dragon é sua ênfase paradoxal na tradição e renovação. Embora o formato do casco permaneça o mesmo por 90 anos (embora agora seja medido com um pouco mais de cuidado), a mastreação e o cockpit sofreram cuidadosas mudanças. O barco original tinha beliches em uma cabine e um mastro 40 cm mais à popa do que é hoje. Na década de 1940, a maioria dos Dragons era usada em regatas e não para cruzeiros, e uma genoa maior e um spinnaker foram introduzidos e a acomodação removida.
Muitas classes de iates desapareceram durante a Segunda Guerra Mundial e, em 1946, Peter Lunde, um dos melhores velejadores de Dragons da Noruega, viajou para Londres com o objetivo de promover novas classes de regata internacional. Ele carregava consigo a permissão da família Anker para usar os desenhos internacionalmente, desde que aprovados pela IYRU (agora World Sailing). O Dragon recebeu o status olímpico naquele ano.
Desde o início, os barcos tinham as características que mantiveram a classe. Eles são muito elegantes e sempre atraem atenção. São barcos interessantes e tecnicamente gratificantes para velejar.
O refinamento adicional continuou, mas sempre foi cuidadosamente controlado e de uma maneira que minimiza a discriminação contra barcos antigos, que sempre podem melhorar. Em 1971, as cruzetas de metal foram introduzidas e em 1973 a construção de fibra de vidro chegou. Em 1975, o spinnaker foi ampliado e a forma melhorada. Mudanças mais recentes se concentraram nas velas e nos controles de mastreação, geralmente usando novas fibras nos cabos. A classe permaneceu leal às velas da Dacron principalmente para manter os custos baixos.
A introdução da construção de fibra de vidro (GRP) foi tratada com muito cuidado, liderada por Borge Borresen, na época o maior construtor da classe. Mais recentemente, a competição entre os construtores levou a um cuidadoso controle de qualidade e, portanto, à produção de embarcações extremamente bem construídas e duradouras. Como resultado, agora existem mais de 1.300 barcos afiliados às Associações Nacionais de Classes em todo o mundo e estima-se que ainda haja muitos ainda em uso, frequentemente como barcos de cruzeiro.

Especificações:
Status World Sailing: Internacional
Tipo: Monocasco de Quilha
Numero de tripulantes: max. 4
Peso max. de trip.: 285 Kg max / 628 lb
Projetista: Johan Anker
País de origem: Noruega
Projetado no ano: 1929
Material do casco: Fibra e/ou Madeira
Comprimento do casco: 8.9 m / 29.2 pés
Comp. da linha dágua: 5.66 m / 18.6 pés
Boca: 1.95 m / 6 pés 5 pol.
Calado: 1.2 m / 3 pés 11 pol.
Pedo do barco: 1.700 Kg / 3,700 Lbs
Pedo do casco: 1.650 Kg / 3,700 Lbs
Área Vélica:
Vela Grande: 16.0 m² / 172 pés²
Jib/Genoa: 11.05 m² / 119 pés²
Spinnaker (Balão): 33.2 m² / 357 pés²

Avisos

SOBRE

FEVERJ - Federação de Vela do Estado do Rio de Janeiro é a única entidade esportiva autorizada a organizar e realizar regatas e enventos náuticos no estado do Rio de Janeiro.
© 2019 FEVERJ - Federação de Vela do Estado do Rio de Janeiro